Um perfil biográfico da santa padroeira da alegria na TV nacional

Elke Grünupp nasceu na Alemanha em 1945. Tinha quatro anos ao desembarcar no Brasil, onde sua família se fixou no interior de Minas Gerais, para depois morar em São Paulo e no Rio Grande do Sul. A futura Mulher Maravilha da televisão começou a trabalhar muito jovem, compelida pelo rigor paterno. Alta e loira, esplendorosamente destoante das belezas locais, Elke encontrou sua vocação na adolescência, ao vencer um concurso de misses em Belo Horizonte ― de onde saiu para as passarelas das capitais da moda. A carreira meteórica de modelo, condimentada pela irreverência teatral com que vestia peças de alta-costura, abriu-lhe as portas da tv, que acabava de ganhar cores. Trabalhou como atriz e jurada nos programas do Chacrinha e de Silvio Santos, em quatro emissoras diferentes. Se tornou uma das pessoas mais famosas do Brasil. Gravou um disco e nos anos 1990 teve um programa solo, entrevistando numerosas personalidades. Sobreveio uma fase de ostracismo e empreendimentos fracassados, mas sua esfuziante joie de vivre entre as plumas, os bordados e os paetês seguiu inabalável. Até morrer, em 2016, Elke foi dionisíaca e livre como os personagens que encarnou. Estudou medicina, filosofia e letras. Nos anos 1970, revoltada com a ditadura militar, chegou a ser presa por rasgar um cartaz com fotos de procurados pelo regime. Colecionou casamentos e namoros nem sempre felizes, como a união com um fã que não tardou a se revelar violento. Originalmente concebido como um audiolivro, este perfil biográfico reúne a agilidade da reportagem e a argúcia do ensaio para retratar a santa padroeira da alegria na tv nacional e musa eterna do glamour para seus admirador

Ed. Todavia - 200 pág. - brochura

ELKE: MULHER MARAVILHA - Chico Felitti

R$69,90
ELKE: MULHER MARAVILHA - Chico Felitti R$69,90
Sucesso! Você tem frete grátis
Frete grátis a partir de R$120,00
Entregas para o CEP:

Frete grátis a partir de R$120,00

Um perfil biográfico da santa padroeira da alegria na TV nacional

Elke Grünupp nasceu na Alemanha em 1945. Tinha quatro anos ao desembarcar no Brasil, onde sua família se fixou no interior de Minas Gerais, para depois morar em São Paulo e no Rio Grande do Sul. A futura Mulher Maravilha da televisão começou a trabalhar muito jovem, compelida pelo rigor paterno. Alta e loira, esplendorosamente destoante das belezas locais, Elke encontrou sua vocação na adolescência, ao vencer um concurso de misses em Belo Horizonte ― de onde saiu para as passarelas das capitais da moda. A carreira meteórica de modelo, condimentada pela irreverência teatral com que vestia peças de alta-costura, abriu-lhe as portas da tv, que acabava de ganhar cores. Trabalhou como atriz e jurada nos programas do Chacrinha e de Silvio Santos, em quatro emissoras diferentes. Se tornou uma das pessoas mais famosas do Brasil. Gravou um disco e nos anos 1990 teve um programa solo, entrevistando numerosas personalidades. Sobreveio uma fase de ostracismo e empreendimentos fracassados, mas sua esfuziante joie de vivre entre as plumas, os bordados e os paetês seguiu inabalável. Até morrer, em 2016, Elke foi dionisíaca e livre como os personagens que encarnou. Estudou medicina, filosofia e letras. Nos anos 1970, revoltada com a ditadura militar, chegou a ser presa por rasgar um cartaz com fotos de procurados pelo regime. Colecionou casamentos e namoros nem sempre felizes, como a união com um fã que não tardou a se revelar violento. Originalmente concebido como um audiolivro, este perfil biográfico reúne a agilidade da reportagem e a argúcia do ensaio para retratar a santa padroeira da alegria na tv nacional e musa eterna do glamour para seus admirador

Ed. Todavia - 200 pág. - brochura