Do romantismo de Cantando na chuva à violência de Laranja mecânica. Do horror de Os pássaros à ternura de E.T., o extraterrestre. Do impacto causado por obras-primas como Jules e Jim, Deus e o diabo na Terra do Sol ou Tempos modernos à diversão inteligente de Shrek. O cinema é a forma de arte mais popular do mundo. Com pouco mais de um século de história, a invenção dos irmãos Lumière mudou os parâmetros da arte ao se transformar em um bem de consumo de massa capaz de criar novas linguagens e até mesmo influenciar outras formas de expressão artística, como a literatura e a pintura. O Guia ilustrado Zahar de cinema, organizado pelo crítico inglês Ronald Bergan, é uma viagem pela história, os gêneros e as biografias de atores e diretores que fizeram da sala escura uma porta para um novo universo. Além de indicar as 100 obras-primas que nenhum cinéfilo pode deixar de ver, Bergan lista diretores do mundo todo de A a Z, perfila grandes estrelas e explica como é o ciclo de vida de um filme, do argumento à estreia.

 

O volume, que faz parte da coleção Guias ilustrados que a Zahar apresenta desde 2006, também traça um panorama da cinematografia de países como Espanha, Índia, Japão e China, entre outros. O autor analisa ainda as características e a contribuição do cinema latino-americano. Em capítulos sobre a América Central e a América do Sul, Bergan comenta a tradição política dos cineastas destes países e destaca a obra de brasileiros como Glauber Rocha, Ruy Guerra, Cacá Diegues e Nelson Pereira dos Santos. Relata também que nos anos 1980 o cinema latino-americano passou por um renascimento, listando obras como Central do Brasil, de Walter Salles, Cidade de Deus, de Fernando Meirelles, Nove rainhas, do argentino Fabián Bielinsky, e Whisky, do uruguaio Pablo Stoll.O guia também inclui:• Centenas de ilustrações e verbetes;• 100 grandes filmes que o leitor não pode deixar de ver;• Linha do tempo com grandes acontecimentos do cinema mundial;• Código de cores e símbolos para orientar o leitor;• Seção de gêneros cinematográficos, explicando o desenvolvimento da comédia e do drama, entre muitos estilos, através de filmes-chave que ajudam a entendê-los;• Comentários sobre a cinematografia de países como China, Índia, México e Japão, além de capítulos sobre obras da América Central e da América do Sul.

 

Ed. Zahar - 512 pág. - brochura - formato 13 x 22 cm

GUIA ILUSTRADO ZAHAR DE CINEMA - Ronald Bergan

R$89,90 R$79,90
Frete grátis
GUIA ILUSTRADO ZAHAR DE CINEMA - Ronald Bergan R$79,90

Do romantismo de Cantando na chuva à violência de Laranja mecânica. Do horror de Os pássaros à ternura de E.T., o extraterrestre. Do impacto causado por obras-primas como Jules e Jim, Deus e o diabo na Terra do Sol ou Tempos modernos à diversão inteligente de Shrek. O cinema é a forma de arte mais popular do mundo. Com pouco mais de um século de história, a invenção dos irmãos Lumière mudou os parâmetros da arte ao se transformar em um bem de consumo de massa capaz de criar novas linguagens e até mesmo influenciar outras formas de expressão artística, como a literatura e a pintura. O Guia ilustrado Zahar de cinema, organizado pelo crítico inglês Ronald Bergan, é uma viagem pela história, os gêneros e as biografias de atores e diretores que fizeram da sala escura uma porta para um novo universo. Além de indicar as 100 obras-primas que nenhum cinéfilo pode deixar de ver, Bergan lista diretores do mundo todo de A a Z, perfila grandes estrelas e explica como é o ciclo de vida de um filme, do argumento à estreia.

 

O volume, que faz parte da coleção Guias ilustrados que a Zahar apresenta desde 2006, também traça um panorama da cinematografia de países como Espanha, Índia, Japão e China, entre outros. O autor analisa ainda as características e a contribuição do cinema latino-americano. Em capítulos sobre a América Central e a América do Sul, Bergan comenta a tradição política dos cineastas destes países e destaca a obra de brasileiros como Glauber Rocha, Ruy Guerra, Cacá Diegues e Nelson Pereira dos Santos. Relata também que nos anos 1980 o cinema latino-americano passou por um renascimento, listando obras como Central do Brasil, de Walter Salles, Cidade de Deus, de Fernando Meirelles, Nove rainhas, do argentino Fabián Bielinsky, e Whisky, do uruguaio Pablo Stoll.O guia também inclui:• Centenas de ilustrações e verbetes;• 100 grandes filmes que o leitor não pode deixar de ver;• Linha do tempo com grandes acontecimentos do cinema mundial;• Código de cores e símbolos para orientar o leitor;• Seção de gêneros cinematográficos, explicando o desenvolvimento da comédia e do drama, entre muitos estilos, através de filmes-chave que ajudam a entendê-los;• Comentários sobre a cinematografia de países como China, Índia, México e Japão, além de capítulos sobre obras da América Central e da América do Sul.

 

Ed. Zahar - 512 pág. - brochura - formato 13 x 22 cm