Para o filósofo Ollivier Pourriol, o cinema é a arte que expressa os desejos. Na tela grande vemos refletidos nossos anseios retratados e vivenciados pelos personagens. “Durante o tempo de um filme, partilhamos uma modificação global da consciência de um personagem e vemos o mundo através de seus olhos, ou melhor, através de seu olhar: entramos no mundo de seu desejo”, explica Pourriol em Filosofando no cinema.
O autor segue a linha de sucesso de seu Cinefilô, publicado pela Zahar em 2009, e utiliza a sétima arte para desenvolver questões da filosofia. O desejo é o objeto de suas buscas em cenas de filmes como De olhos bem fechadosBeleza americana e Toy Story. Cada um dos longas é utilizado para refletir e exemplificar um aspecto específico: desejo de reconhecimento, de diferença, desejo pelo outro, a morte do desejo, aqueles que nos enlouquecem, o tempo de cada um deles. Para esclarecer esses temas, o autor recorre ao pensamento de Sartre, Platão, Spinoza, Deleuze, Hegel, Descartes.

 

Ed. Zahar - 200 pág. - brochura

FILOSOFANDO NO CINEMA - 25 filmes para entender o desejo - Ollivier Pourriol

R$49,90 R$39,90
Frete grátis
FILOSOFANDO NO CINEMA - 25 filmes para entender o desejo - Ollivier Pourriol R$39,90

Para o filósofo Ollivier Pourriol, o cinema é a arte que expressa os desejos. Na tela grande vemos refletidos nossos anseios retratados e vivenciados pelos personagens. “Durante o tempo de um filme, partilhamos uma modificação global da consciência de um personagem e vemos o mundo através de seus olhos, ou melhor, através de seu olhar: entramos no mundo de seu desejo”, explica Pourriol em Filosofando no cinema.
O autor segue a linha de sucesso de seu Cinefilô, publicado pela Zahar em 2009, e utiliza a sétima arte para desenvolver questões da filosofia. O desejo é o objeto de suas buscas em cenas de filmes como De olhos bem fechadosBeleza americana e Toy Story. Cada um dos longas é utilizado para refletir e exemplificar um aspecto específico: desejo de reconhecimento, de diferença, desejo pelo outro, a morte do desejo, aqueles que nos enlouquecem, o tempo de cada um deles. Para esclarecer esses temas, o autor recorre ao pensamento de Sartre, Platão, Spinoza, Deleuze, Hegel, Descartes.

 

Ed. Zahar - 200 pág. - brochura