O historiador Emmanuel Le Roy Ladurie reconstrói o desenrolar dos acontecimentos de um Carnaval revolucionário na cidade francesa de Romans, ocorrido durante a segunda metade do século XVI.
Romans era então um pequeno povoado de pouco mais de sete mil habitantes, cercado por muros, como uma cidade medieval. Na passagem do ano de 1579 para o de 1580, a cidade atravessava um momento de tensões sociais e econômicas, agravado pelo clima de hostilidade entre católicos e protestantes (huguenotes). Artesãos e camponeses estavam insatisfeitos com o aumento dos impostos e com as práticas de extorsão dos soldados comandados pela nobreza. Sob a liderança de Jean Serve, conhecido como Paumier, os artesãos criam uma espécie de governo paralelo. Em fevereiro de 1580, Paumier é assassinado e o Carnaval se transforma em uma mistura explosiva de celebração, protestos e violência. 
O autor começou sua pesquisa com a intenção de escrever uma história da cidade de Romans. Seus estudos sobre os acontecimentos do sangrento Carnaval o fizeram focar seu ensaio nessa passagem da história. O relato combina aspectos sociológicos e antropológicos, em uma linha interpretativa conhecida como História Nova, da qual Ladurie é um dos maiores representantes.

Sobre o autor:

Emmanuel Le Roy Ladurie
Nasceu em 1929 na Normandia. É professor de história moderna no Collège de France e diretor da Biblioteca Nacional de Paris. 

Cia. das Letras -

O CARNAVAL DE ROMANS - Emmanuel Le Roy Ladurie

R$67,55
O CARNAVAL DE ROMANS - Emmanuel Le Roy Ladurie R$67,55
Sucesso! Você tem frete grátis
Frete grátis a partir de R$0,00
Entregas para o CEP:

Sucesso! Você tem frete grátis

O historiador Emmanuel Le Roy Ladurie reconstrói o desenrolar dos acontecimentos de um Carnaval revolucionário na cidade francesa de Romans, ocorrido durante a segunda metade do século XVI.
Romans era então um pequeno povoado de pouco mais de sete mil habitantes, cercado por muros, como uma cidade medieval. Na passagem do ano de 1579 para o de 1580, a cidade atravessava um momento de tensões sociais e econômicas, agravado pelo clima de hostilidade entre católicos e protestantes (huguenotes). Artesãos e camponeses estavam insatisfeitos com o aumento dos impostos e com as práticas de extorsão dos soldados comandados pela nobreza. Sob a liderança de Jean Serve, conhecido como Paumier, os artesãos criam uma espécie de governo paralelo. Em fevereiro de 1580, Paumier é assassinado e o Carnaval se transforma em uma mistura explosiva de celebração, protestos e violência. 
O autor começou sua pesquisa com a intenção de escrever uma história da cidade de Romans. Seus estudos sobre os acontecimentos do sangrento Carnaval o fizeram focar seu ensaio nessa passagem da história. O relato combina aspectos sociológicos e antropológicos, em uma linha interpretativa conhecida como História Nova, da qual Ladurie é um dos maiores representantes.

Sobre o autor:

Emmanuel Le Roy Ladurie
Nasceu em 1929 na Normandia. É professor de história moderna no Collège de France e diretor da Biblioteca Nacional de Paris. 

Cia. das Letras -